Postagem em destaque

Resenha do livro: POSTMAN, Neil. O Desaparecimento da Infância.

Resenha do livro: POSTMAN, Neil. O Desaparecimento da Infância. Tradução: Suzana Menescal de A. Carvalho e José Laurenio de Melo. Rio d...

Teoria de Aprendizagem Musical de Edwin Gordon



                           
         Teoria de Aprendizagem Musical:

Edwin E. Gordon é um influente investigador, autor, editor e professor no campo da educação musical. Professor da Universidade da Carolina do Sul, Gordon, através da extensa investigação, deu grandes contribuições para o estudo das aptidões musicais, teoria da aprendizagem da música, ritmo e movimento e para o desenvolvimento musical em lactentes e crianças muito pequenas.
Ele é autor de várias obras no campo da educação musical, incluindo Learning Sequences in MusicSkill, Content, and PatternsA Music Learning Theory for Newborn and Young Children and Preparatory AudiationAudiation and Music Learning Theory.
Gordon continua a apresentar seminários e palestras em todo o mundo que são amplamente publicadas em revistas profissionais.

 Não se trata de um novo método para ensinar música, mas sim de uma teoria sobre como as pessoas (nomeadamente as crianças) aprendem música. A originalidade na perspectiva de E. Gordon é, precisamente, questionar-se não sobre como se deve ensinar música, mas antes como esta é aprendida. Em que momento a criança (ou adulto) está preparado para aprender determinada competência, e qual a sequência de conteúdos adequada.
De acordo com o autor, a música é apreendida da mesma forma que a nossa língua materna:
Primeiro, ouvimos outros a falar. Desde o nascimento, e mesmo antes, estamos cercados pelo som da língua e da conversação. Nós absorvemos estes sons e familiarizamo-nos com a língua.
Segundo, tentamos imitar.
Terceiro, começamos a pensar através da língua. Palavras e frases começam a ter sentido à medida que ganhamos experiência com esta.
Quarto, começamos a improvisar. Por outras palavras, somos capazes de criar as nossas próprias frases e a organizá-las de uma forma lógica. Somos capazes de manter uma conversa. Finalmente, ao fim de vários anos a desenvolver a nossa capacidade de pensar e falar, aprendemos a ler e escrever. Aprendemos a ler e escrever devido à experiência que adquirimos a ouvir, imitar, pensar e improvisar.
Os princípios da Teoria de Aprendizagem Musical orientam professores de todas as faixas etárias, desde a primeira infância até à idade adulta, a estabelecerem objectivos curriculares sequenciais, sendo o principal objectivo geral, o de desenvolver a audiação rítmica e tonalAudiação é um termo criado por E. Gordon que significa para a música o que pensar significa para a língua. É acapacidade de ouvirmos com compreensão na nossa cabeça, sons que podem estar, ou não, fisicamente presentes. Através da audiação os alunos poderão atribuir significado à música que ouvem, executam, improvisam e compõem.
Música Instrumental:
O professor começa por providenciar aos seus alunos um ambiente musical variado, onde estes são estimulado a ouvir, cantar e tocar, “de ouvido”, em modos e métricas variados, construindo uma base sólida de audiação, enquanto desenvolvem as primeiras competências técnicas no instrumento



Música na 1ªInfância:


















Na perspectiva de E. Gordon, quando aprendemos um instrumento estamos, na realidade, a aprender dois instrumentos em simultâneo: o instrumento de audiação dentro da nossa cabeça, e o instrumento musical nas nossas mãos. Quando os alunos são capazes de ouvir na sua cabeça aquilo que vão “cantar” através do seu instrumento, a sua execução terá melhor afinação, fraseado, expressão e fluidez rítmica.


O aluno desenvolverá uma compreensão das tonalidades e métricas que está a ouvir e executar através das actividades deaprendizagem sequencial, que são o centro da Teoria de Aprendizagem Musical (T.A.M), e as Partes dum processo de Aprendizagem circular Todo (actividades de sala de aula onde se apreendem conteúdos duma forma natural) -   Parte (a “desconstrução” desses conteúdos em pequenas unidades) –Todo (aplicação das partes novamente no seu contexto). O objectivo é ajudar os alunos a dar maior significado às actividades de sala de aula através da compreensão dos padrões tonais e rítmicos que constituem a literatura musical.

Nesta perspectiva, os principais benefícios da aprendizagem do instrumento são:

  • O aluno executará musicalmente e fluentemente no seu instrumento em várias métricas, tonalidades e estilos;
  • O aluno executará com uma afinação aceitável e clareza rítmica;
  • O aluno ouvirá música com uma compreensão da tonalidade e métrica;
  • O aluno desenvolverá capacidades intelectuais de alto nível, tais como criatividade, improvisação e generalização;• O aluno terá um vasto repertório que é capaz de executar com e sem notação musical;
  • O aluno irá ler e escrever música com compreensão;
  • O aluno continuará, depois de adulto, a ser capaz de ouvir música de vários estilos com compreensão.

      Baseando-se na premissa de que o potencial de uma pessoa para aprender é máximo na altura do seu nascimentoos primeiros anos de vida são cruciais para estabelecer boas fundações para um desenvolvimento musical ótimo.
      As experiências musicais que uma criança tem desde o nascimento até aproximadamente aos 5 anos têm um profundo impacto na forma como esta vai ser capaz de perceber, apreciar e compreender em Música como adulto.
      Edwin Gordon, na sua Teoria de Aprendizagem Musical, sistematizou os diversos Estádios pelos quais a criança passa.  
      No primeiro estádio, aculturação, a criança está exposta à cultura musical que a rodeia, absorvendo os sons do meio. Segue-se a imitação, onde a criança começa a imitar os sons produzidos pelo adulto, e finalmente a assimilação, fase na qual a criança aprende a coordenar os seus movimentos com o canto e a respiração.
      Em todos estes estádios, o instrumento privilegiado pelo professor será a voz. O professor serve de modelo para a criança, que aprenderá a distinguir a voz cantada da voz falada, e a sensação de cantar afinado. Os exemplos musicais serão tão diversos quanto possível (modos, métricas e estilos) para que a criança possa absorver um vocabulário rico e variado como preparação para a sua posterior educação musical formal.
      Um outro aspecto privilegiado nestas aulas é o movimento. Gordon acredita que o movimento é essencial para o desenvolvimento do sentido rítmico. Ao experienciar as sensações de fluidez, peso e espaço antes de vivenciar o tempo musical a criança desenvolverá uma melhor consciência corporal e rítmica, relaxada e não rígida. O relaxamento e a flexibilidade são indispensáveis para que o corpo esteja preparado para participar em Musica.

9 horas de músicas relaxantes

Total de visualizações de página

Depende de nós....

Depende de nós....

Populares