Postagem em destaque

Resenha do livro: POSTMAN, Neil. O Desaparecimento da Infância.

Resenha do livro: POSTMAN, Neil. O Desaparecimento da Infância. Tradução: Suzana Menescal de A. Carvalho e José Laurenio de Melo. Rio d...

A Cozinha da Bruxinha...



A Cozinha da Bruxinha

Era dia de festa. Giselda chamou a bruxarada para se reunir na casa dela,
que ficava numa montanha bem alta, no mundo chamado . E festa na casa
de bruxa sabe como é, muita comida, poções mágicas e principalmente
muita música e alegria. As crianças não perderam tempo e foram para
floresta chamar seus amiguinhos encantados. O gnomo Imp, conhecido
como amigo das crianças não pensou duas vezes e aceitou o convite.
 "vai ter pudim de nuvem?" – perguntou já com água na boca. Dadinha, a
bruxinha filha de Giselda, respondeu com orgulho: "Mas é claro, que vai ter
pudim de nuvem, eu mesma fiz...". Imp, o gnomo torceu o nariz,
quando essa bruxinha entra na cozinha, sai de baixo, que lá vem raio..."
As crianças todas riram, mas a bruxinha Dadinha não gostou, ficou
tristinha, quase chorou, pois tentava ser igual a mãe dela, Giselda, que
cozinhava pratos maravilhosos da culinária mágica das bruxas, receitas
que ela aprendera com sua mãe, que aprendeu com sua avó... Mas tudo
bem, era festa. As crianças voltaram para a casa da montanha. Era um
corre, corre, um zumzumzum, tinha até banda de música fazendo o maior
ziriguidum.
O almoço foi servido numa grande mesa, no jardim. Era um verdadeiro
banquete. Fazia um dia maravilhoso, o sol estava dourado como um pingo
de ouro, e o céu tão azul...O prato principal era arroz com ervas
perfumadas e frango, regado com nectar das flores, pra acompanhar farofa
de pó de estrela, que Giselda pegou do céu na noite anterior quando
passeava em sua vassoura.
Os convidados comeram que se lambuzaram, tudo tinha gosto de quero
mais. Todos agradeceram ao deus e à deusa pelo dia maravilhoso,
ensolarado, pelo alimento, e pela confraternização entre os amigos. E
quando todos iam se levantar da mesa: "Hei, gente, tem a sobremesa" –
gritou Dadinha – "foi eu quem fiz, e sozinha!" Todos se entreolharam, já
sabiam da fama da bruxinha. Ela tinha até boa vontade, mas não tinha
mão para a cozinha, pois cozinha de bruxa tem que ter concentração,
mentalizar as palavras certas, medir bem os ingredientes, ter muita, mas
muita paciência. E Dadinha era uma pimenta, estabanada e maluquinha,
Apesar de encantadora. Mas todos tiveram uma grande surpresa.
A menina trouxe o grande prato de pudim de nuvem, todos ficaram com
Água na boca só de olhar. "Que bela aparência!", "Deve estar gostoso!",
Foram os comentários, a bruxinha orgulhosa, deu a primeira fatia para a
Mãe que provou e aprovou, todos comiam e davam os parabéns para a
menina, e o pudim estava tão gostoso que eles se esqueceram que
quando se come essa sobremesa feita com nuvens do céu tem que se
falar as palavra mágicas que são: "Doce como o mel, que coisa louca, que
não se faça chuva no céu da boca". Quando um dos convidados lembrou
da simpatia, já era tarde demais e por causa disso, de repente, o céu
fechou, e uma grande nuvem negra se formou, uma tempestade pegou
todos de surpresa. Eles ficaram todos molhados. E quem pensou que a
chuva acabou com a festa, se enganou!
A banda continuou a tocar, e todos dançaram formando uma grande
ciranda. Deste dia em diante a bruxinha não errou mais nas receitas, só
fez comidinhas mágicas bem gostosas e ganhou o título de mestra cuca
mirim da cozinha da bruxa, não tinha festa que ela não era convidada pra
levar os seus quitutes, não teve um só canto daquele mundo encantado
que não passasse a conhecer a fama da cozinha da bruxinha.

(Autora: Anne Glauce Freire) 


Fonte:www.virtualbooks.terra.com.br 

9 horas de músicas relaxantes

Total de visualizações de página

Depende de nós....

Depende de nós....

Populares